domingo, 8 de fevereiro de 2015

História Daikaiju - Parte 6 : Zarkorr, Iris, Yonggary, Garuda & Imugis

Se Gojira, o Rei dos Daikaijus, foi inspirado por antigos filmes de monstros ocidentais, feitos em stop-motion, como "The Beast From 20.000 Fathoms" (O Monstro do Mar, 1953) de Eugène Lourié, o próprio Lourié faria sua versão "mezzo-Kaiju" com "Gorgo" (1961). A história de uma erupção vulcânica que libera um monstro, que é levada a Londres, cresce e é procurado por sua gigantesca mãe -  além de ter todos os elementos do gênero, também era vivido por um dublê em uma ótima fantasia.




Gojira & cia., inspiraram outros monstros mundo à fora, mas a invasão de Kaijus-Ocidentais (Daikaijins) começou apenas depois da metade dos anos 90. O Primeiro, foi o Trash "Zarkorr! The Invader" (O Invasor, 1996) de Aaron Osborne e Michael Deak. 



Alienígenas que estudam a Terra à muitos séculos, decidem conquistar o planeta enviando  Zarkorr, um réptil gigantesco e que emite raios laser de seus olhos. 
Um humilde, mas corajoso carteiro, é visitado por uma minúscula projeção holográfica de uma garota extraterrestre, que lhe dá informações de como vencer a besta...



A ideia dos diretores de fazer um filme nos moldes japoneses, foi comprada pelo produtor Charles Band que planejou um grande lançamento nos cinemas, via sua empresa Full Moon Pictures. Mas a modesta produção acabou sendo lançada direto em vídeo pelo selo Monster Island Entertainment.



Praticamente a mesma equipe, voltou para mais uma produção similar (e pela Monster Island) chamada "Kraa! The Sea Monster" (1998) de Aaron Osborne e Dave Parker.



Agora o monstro alienígena ( com uma forma anfíbia) é combatido pela Planet Patrol e um por um alienígena do bem (e com sotaque italiano!). Uma gostosa (e muito barata) brincadeira/homenagem ao gênero.




" The Adventures of Galgameth" ( Galgameth,1996) de Sean McNamara, conta a história de um príncipe que tenta libertar seu povo da tirania de um cavaleiro negro que usurpou o trono. O jovem recebe de seu pai moribundo, uma pequena estátua de uma criatura chamada Galgameth, protetor da família. A Estátua cria vida através das lágrimas do príncipe, e cresce como um dragão bondoso, que come metal e ajuda a combater o vilão.


Se você já leu esta história aqui, é porque é uma versão (boba!) do Daikaiju norte-coreano "Pulgasari" (1985) !


Produção romena-americana infantil para a TV, com roteiro de Shin Sang-ok, diretor/roteirista de "Pulgasari"... 


                                      Cena similar no original de Shin Sang-ok

Mas, voltemos um pouco para o lar dos verdadeiros Kaijus.
"Gamera Suri Jyashin Irisu Kakusei" (Gamera 3 : The Revenge of Iris, 1999) de Shusuke Kaneko, continua a nova saga da tartaruga-gigante-voadora preferida de todos.




Ayana (Ai Maeda) é uma garota problemática e perturbada, que mantêm um elo psíquico com uma estranha criatura chamada Irusu (Iris). O monstro parasita se alimenta do ódio da garota, e cresce odiando Gamera, responsável pela morte dos pais de Ayana.



Gamera defende o Japão de um novo ataque de um bando de Gyaos, e no intervalo tem que enfrentar os ataques do feroz kaiju voador com tentáculos... Iris!




O filme mais elogiado de toda a série de Gamera, principalmente pela qualidade de seus efeitos especiais e de seu roteiro (do diretor e do roteirista de Animes, Kazunori Itô).





O sucesso de Gamera e da série Heisei de Godzilla, geraram novos Daikaijus orientais fora do Japão.
"Yonggary" (Réptil, 1999) de Hyung-rae Shim, é a refilmagem livre do daikaiju sul-coreano de 1967.



Um grupo de arqueólogos americanos descobre o fóssil de um dinossauro gigantesco com um diamante incrustado em sua testa. A criatura volta a viver e causa destruição, guiada por alienígenas com planos de conquistar a Terra. 



Cientistas e militares conseguem destruir o diamante, que controlava a criatura pré-histórica. Os Aliens enviam seu próprio monstro, chamado Cycor. Yongarry consegue destruí-lo e depois é tratado como herói, sendo enviado para uma ilha isolada para viver em paz.



Escrito e dirigido pelo ator-comediante-diretor-produtor Hyung-rae, o novo Yonggary é completamente diferente do original, e não fez o  sucesso esperado. Uma nova versão (com efeitos especiais "modernos", leia-se digitais...) foi realizada em 2001.



Os "problemas" do filme, são: Seu roteiro tolo, a inclusão gratuita de personagens e cidades ocidentais (para tentar conquistar o mercado americano) e os efeitos, agora totalmente em CGI... Apesar de Trash, ele iniciou aqui uma nova era dos Kaiju Eiga...a Era Digital !





"Paksa Wayu" (Garuda, 2004) de Monthon Arayangkoon, foi o primeiro Kaiju Eiga da Tailândia. 



Um cientista descobre uma garra de uma criatura desconhecida no deserto paquistanês. Um tempo depois, durante a escavação para a construção de uma segunda linha do metrô de Bangkok, uma caverna revela um monstro que está hibernando a mais de 10.000 anos.



 O mitológico Garuda acorda e os militares tentam mante-lo no túnel. Mas a poderosa criatura (que lembra uma Gárgula com cara de pássaro e longas asas) escapa e passa a destruir a cidade... 



Os efeitos digitais (de uma equipe local) são bem feitos...

Muito superior é o sul-coreano "Hangul"/ "Gwoemul" (O Hospedeiro, 2006) de Bong Joon-ho.



Uma grande quantidade de Formaldeído é despejada criminosamente no rio Han, em Seul. Tempos depois, uma espécie de peixe mutante aparece e começa a espalhar morte e destruição.



Entre os afetados pelos incidentes, estão um humilde homem de meia idade cuja neta pequena é raptada pela criatura. Ele e sua família problemática tentam resgatar a menina, apesar da tarefa parecer impossível...



Mesclando ficção, terror, comédia e drama, o premiado cineasta consegue injetar carga dramática e crítica social no gênero. Os excelentes efeitos especiais, misturam animatrônicos (feitos por uma empresa da Nova Zelândia) e CGI (por uma equipe de efeitos visuais americana).



"D- War" (D-War : Guerra dos Dragões, 2007) de Hyung-rae Shim, é o quarto filme de monstros do ator-cineasta sul coreano (ele também realizou "Tyranno's Claw" (1994) e "Dragon Tuka" (1996), que são filmes sobre a pré-história com dinossauros...e dinossauros "comuns" não são Daikaijus.)



Em Los Angeles, uma antiga lenda coreana toma forma. Imugis são serpentes místicas monstruosas que podem se transformar em dragões do bem ou do mal.



 Ethan, um âncora da TV, tem a missão de proteger a jovem Sarah de Buraki, um Imugi maligno e seu exército poderoso.
A jovem seria um Yeouiju, uma pessoa capaz de mudar um Imugi em um Dragão Celestial. 




Os dois Imugis, bom e mal se envolvem em uma batalha mortal, e apenas o jovem casal tem a chave para evitar a destruição do mundo.



Uma mistura de Kaiju Eiga, fantasia e ficção (estilo Star Wars), com ótima produção (foi o filme mais caro da Coréia até a data) e efeitos em CGI convincentes.



O filme na verdade é uma grande bobagem. Mas uma bobagem divertida...






Nenhum comentário:

Postar um comentário