quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Cine Catástrofe - Capítulo 4 : O Revival

O pontapé para o revival do gênero nos anos 90 foi "Alive" (Vivos, 1993) de Frank Marshall. Baseado no acidente aéreo do avião 571 da Força Aérea Uruguaia (Outubro de 1972); conta como os sobreviventes enfrentam o frio e as avalanches de neve da Cordilheira dos Andes, e precisam apelar para a antropofagia para poder se alimentar.



A história já havia sido contada no drama mexicano "Supervivientes de los Andes" (Os Sobreviventes dos Andes, 1976) de René Cardona e René Cardona Jr.; que apesar dos tons mais exploitation (ou por isso mesmo...), é superior a esta versão morna americana...




"Apollo 13" (Apollo 13 - Do Desastre ao Triunfo, 1995) de Ron Howard, com Tom Hanks, Ed Harris e Kevin Bacon, recria o acidente (Abril de 1970) com a nave espacial tripulada que devia descer na Lua, mas sofreu uma explosão no módulo de serviço...




"Apollo 13" fez com que a infortúnia frase "Houston, we've had a problem" ("Houston, nós tivemos um problema") entrasse definitivamente no vocabulário pop. Com o astro em ascendência Tom Hanks como protagonista, o filme foca o esforço da tripulação e da base da Nasa para tentar trazê-la de volta à Terra, após uma grave pane, salvando a vida dos astronautas a bordo. O sucesso vultoso de bilheteria (faturou mais de 355 milhões), porém, só ganhou dois Oscars "técnicos": melhor edição e som 





"Outbreak" (Epidemia, 1995) de Wolfgang Petersen, com Dustin Hoffman e Morgan Freeman (presente em muitos filmes do gênero!), contava a luta de virologistas do exército para conter o avanço de um vírus mortal chamado Motaba (uma espécie de Ebola ficcional) nos Estados Unidos.



"Virus" (1995) de Armand Mastroianni, baseado na novela de Robin Cook "Outbreak", é um um drama médico feito para a TV, sobre uma médica que luta para evitar uma epidemia de Ebola nos Estados Unidos, e descobre que o vírus saiu do lugar aonde ela trabalha...




Já o chinês "Ebola Syndrome" (no original:Yi boh lai Duk, 1996) de Herman Yau, utiliza o vírus como fundo para uma história de muita violência, sexo, gore e humor (!?). Um homem brutal (Anthony Wong) procurado por assassinato, contraí o vírus Ebola na África (ao estuprar uma nativa doente) e ao voltar para Hong Kong, comete outros crimes e espalha a doença...






"Daylight" (1996) de Rob Cohen, conta os esforços de um ex-bombeiro (Sylvester Stallone) para salvar vítimas presas em um túnel de New York, que desabou depois de um acidente com a explosão de produtos químicos que eram transportados.





Nesse mesmo ano  foi lançado o mega-sucesso "Twister" (1996) de Jan de Bont, com uma equipe de caçadores de tempestades  (Helen Hunt, Bill Paxton), estudando um surto maciço de tornados no centro-oeste americano. 



Um filme bem fraco, na verdade, mas os efeitos digitais começaram a ser utilizados de forma mais ampla, barateando os custos e atraindo o público para uma nova leva de filmes do gênero.



Na sua esteira apareceram na TV:  "Tornado!" (1996) de Noel Nosseck, com Bruce Campbell; "Night of The Twisters" ( Tornado - A Fúria, 1996) de Timothy Bond; "Storm Chasers: Revenge of the Twister" (1998) de Mark Sobel... 




Em 1997, estrearam dois filmes sobre erupções vulcânicas: "Volcano" (Volcano - A Fúria) de Mick Jackson, com Tommy Lee Jones e Anne Heche; e  "Dante's Peak" ( O Inferno de Dante) de Roger Donaldson, com Pierce Brosnan e Linda Hamilton. 










"Titanic" (1997) de James Cameron ( produção, roteiro e direção) reconta a história épica, com uma super-produção.


O filme combinando romance (em excesso), melodrama com efeitos especiais (ótimos, mas apenas na segunda parte dos longos 194 minutos) foi um enorme sucesso, tornando-se o filme de maior bilheteria durante 12 anos,  e ganhando 11 prêmios da Academia, incluindo Melhor Filme e Melhor Diretor. Mas é apenas um disaster-movie com muito dinheiro investido...




E para lembrar, outras versões da tragédia chegaram antes via TV, "S.O.S. Titanic" (1979) de William Hale e "Titanic" (Titanic 2 (!??), 1996) de Robert Lieberman, com George C. Scott, Catherine Zeta-Jones e Tim Curry (uma versão melhor do que parece, com efeitos muito bons e algumas semelhanças com o filme de Cameron...).






"Turbulence" (Turbulência, 1997) de Robert Butler, coloca um psicopata (Ray Liotta), ameaçando todos em um avião em pleno voo, e Lauren Holly, como a aeromoça heroína.




O revival continuou  com os lançamentos de verão dos filmes sobre impactos de cometas/asteroides gigantes : "Deep Impact" Impacto Profundo, 1998) de Mimi Leder, com Robert Duvall, Vanessa Redgrave e Morgan Freeman; mais focado nas implicações políticas e logísticas de uma situação catastrófica, no caso um cometa em direção a Terra...





 ... e "Armageddon" ( Armagedom, 1998) de Michael Bay, com Bruce Willis, Billy Bob Thornton e Liv Tyler. Mais um filme sobre aventura espacial, do que catástrofe, com um enredo absurdo sobre uma equipe de mineradores que salvam a terra, mas que foi um grande sucesso de bilheteria. 







"Firestorm" ( Tormenta de Fogo, 1998) de Dean Semler, com Scott Glenn e Howie Long, explora o desastre de um incêndio florestal próximo a uma cidade.



"Hard Rain" (Tempestade, 1998) de Mikael Salomon, com Morgan Freeman, Christian Slater e Randy Quaid, utiliza a inundação de uma cidadezinha americana após uma tempestade, como pano de fundo para uma história policial sobre a tentativa de roubo de um carro-forte.



Com o uso extensivo do CGI que barateou os custos dos efeitos especiais, os filmes do gênero começaram a ir para um caminho inverso da fase de ouro dos anos 70, a TV e pequenas companhia produtoras, despejaram uma "avalanche" de filmes de catástrofe com orçamentos mínimos, roteiros repetitivos e sem nenhum grande astro... 




Um comentário:

  1. Esse revival não gerou grandes filmes. Salvo 'Titanic' e 'Apollo 13'. 'Twister' e 'Impacto Profundo' divertem, mas apenas isso.

    http://filme-do-dia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir