sábado, 28 de junho de 2014

Kong!!! (Capítulo 2: Outros "Kongs" )




King Kong se tornou uma verdadeira lenda do cinema e um ícone mundial. E, homenagens, cópias e variações vieram através dos anos.

PRIMEIROS CLONES:

Em "Unknown Island" (1948) de Jack Bernhard, uma expedição investiga uma ilha do Pacífico Sul aonde foram avistados estranhos seres. Encontram um Brontossauro (marionete) outros dinos (homens em mal encaixadas fantasias criadas por Ellis Burman e Howard Anderson) e um gorila gigante carnívoro (Ray 'Crash' Corrigan em uma de suas boas fantasias).



 A publicidade dizia "Tão Espetacular que demorou um ano para ser produzido!" Eles mentiram...




Na comédia "Africa Screams" (Abbott & Costello na África, 1949) de Charles Barton, a dupla de comediantes se envolve na busca de um tesouro de diamantes no coração do continente africano e topam (rapidamente) com um "infame macaco preto gigante"...um clone de Kong interpretado pelo veterano especialista em gorilas no cinema Charles Gemora.




Os irmãos produtores Herman e Nathan Cohen resolveram transportar a história do gorila gigante para a Londres dos anos 60 e realizaram "Konga" (1961) de Charles Lamont.



À cores e com uma divertida história trash de um chipanzé transformado em um gorila monstruoso por um cientista louco e tarado, O Konga britânico foi interpretado pelo ator e double Paul Stokman, em uma fantasia (criada por George D. "Robot Monster" Burrows) reciclada por Herman Cohen em várias produções.





Um parente distante do Rei, apareceu na Índia em "Shikari" ("Caçador", 1963) de Mohmmed Hussein. 




Uma aventura nas selvas, onde o dono de um circo e um cientista excêntrico procuram pelo mítico macaco gigante conhecido pelos nativos como Otango! Em meio aos inevitáveis números musicais típicos de Bollywood; um clone do Dr.Cyclops (1940) que reduz a mocinha e a guarda em um jarro, um dragão e outras criaturas; o próprio Otango, um ator em uma fantasia bastante boa para a época!



KONGU:


Vamos retornar um pouco no tempo...
Em 1933  estreou no Japão um filme mudo chamado "Wasei Kingu Kongu" de Torajiro Saito, sobre um macaco gigante (Ysamu Yamagushi) que causa estragos em Tóquio. Isso soa familiar? Isso porque o filme, que se traduz "King Kong Japonês", é uma imitação completa da versão americana lançada mais cedo no mesmo ano. Foi completamente ilegal e produzida pela Shochiku, que distribuiu o original no país em parceria com a RKO . 



 "Edo Ni Arawareta Kingu Kongu: Henge no maki" (ou King Kong Aparece em Edo, 1938) de Soya Kumagai ,não era uma continuação, mas uma outra versão do mesmo filme desta vez ambientada antes de 1868, quando Tóquio ainda era chamada Edo. Produzido pela Zencho Cinema, em vez de um macaco gigante, Kong era retratado como uma criatura  parecida com um Sasquatch gigante.



Ambos os filmes nunca foram lançados fora do Japão e especula-se que suas cópias foram destruídas durante os bombardeios da Segunda Guerra. Restaram informações publicitárias e fotos e cartazes divulgados em jornais. King Kong não iria aparecer de novo no cinema japonês até 1962...
O veterano Willis O'Brien perseguia obstinado na ideia de trazer King Kong de volta ás telas, e entre seus projetos estava "King Kong Meet Frankenstein", aonde a criatura criada por Mary Shelley, seria é claro, um gigante. Ele preparou diversos desenhos detalhados dos bonecos e de algumas cenas e os apresentou para diversos produtores. 
A ideia básica seria utilizada de forma diferente e bem longe de O'Brien, que morreria em 1962 sabendo da existência de um King Kong japonês (autorizado pela RKO), mas sem conseguir assisti-lo.



As mesmas bombas que destruíram parte do Japão e as cópias das primeiras versões "kaiju eiga" de King Kong, também geraram a história de Gojira (Godzilla), o grande Rei dos Monstros. "Kingo Kongu Tai Gojira" ( King Kong Contra Godzilla,1962) de Ishiro Honda, é a batalha imaginada por O'Brien, mas com o colosso radioativo em lugar do monstro de Frankenstein. A versão original japonesa tem muios momentos de humor, já que o filme foi realizado como uma sátira ao capitalismo. A versão internacional remontada nos Estados Unidos retirou parte da ironia...

















Os efeitos especiais (miniaturas e roupas dos monstros) ficaram a cargo de Eiji Tsuburaya e Kongu foi interpretado por Shôichi Hirose. Foi o primeiro filme colorido de Godzilla e também de Kong. O gorila apanha muito de seu oponente, mas no final a briga fica empatada, com cada um dos monstros voltando para seu habitat natural...




Kongu voltaria em uma aventura mais fantasiosa ainda: "Kingo Kongu no Gyakushu" ( A Fuga de King Kong, na tradução original "King Kong Contra Ataca", 1967) de Ishiro Honda. 






Um cientista maluco japonês cria uma réplica robótica do gorila chamada "Mechi-Kong" para explorar um material radioativo perigoso. Depois ele tenta dominar o próprio gorila gigante para o mesmo propósito e finalmente os dois monstros brigam nas ruas de Tóquio. O Kong original vence e retorna para sua ilha para descansar.




King Kong foi vivido por Haruo Nakajima (intérprete tradicional de Godzilla, inclusive no filme anterior) e o Kong mecânico por Yu Sekida ( que também faz o papel do dino Gorossaurus, que Kong enfrenta para resgatar a tradicional mocinha).





Nenhum comentário:

Postar um comentário