sábado, 15 de fevereiro de 2014

Cuidado: Cão Feroz!




Pessoas que adoram cães, pensariam duas vezes ao assistir certos filmes que revisam a antiga noção que este animal é "O Melhor Amigo do Homem"!
Apesar de historiadores afirmarem que antigas tribos mesolíticas do norte da Europa, já domesticavam lobos ferozes em 7.500 anos A.C., os animais da espécie, não tiveram um pedigree muito venerável na antiguidade. No antigo Egito, o Guardião dos Mortos tinha a cabeça de um chacal, e na mitologia grega, Cerberus era um cão monstruoso de 3 cabeças que guardava o Hades.



 A reputação maléfica dos cães persistiu até a época da Inquisição, quando se acreditava que um dos disfarces preferidos do diabo, era o de um cachorro preto.
Claro que o cinema e a TV criaram muitos cães heroicos e simpáticos como Lassie, Rin-Tin-Tin, Benji, Digby, Beethoven, K-9 e muitos outros, mas admito que adoro os gatos e os cães me metem medo...portanto, vamos aos cachorros assassinos!!!
Sir Arthur Conan Doyle, foi o primeiro escritor a explorar o Terror-Canino com "O Cão dos Baskervilles" (1901), uma das mais aterradoras aventuras do célebre detetive Sherlock Holmes e seu auxiliar, Dr. Watson.



 E foi justamente o cão dinamarquês "fantasma" que assombra uma família de nobres decadentes que chegou aos cinemas na versão alemã "Der Hound von Baskerville" (1914) de Rudolph Meinert, com Alwin Neuss como Sherlock Holmes. A mesma história já foi adaptada para o cinema e a TV, mais de 25 vezes desde então. 



As mais significativas são as com os intérpretes mais famosos do detetive inglês: Basil Rathbone no filme atmosférico de 1939; Peter Cushing na versão horror da Hammer de 1958 (com Christopher Lee como Sir Henry Baskerville) e Jeremy Brett em 1988 para a TV inglesa. A mais nova (The Hounds of Baskerville, 2012), adapta os personagens para os dias atuais e claro, recria o cão assassino com efeitos digitais...





No clássico "The Most Dangerous Game" (Zaroff, o Caçador de Vidas, 1932) o sádico Conde vivido por Leslie Banks, utiliza uma matilha de cães assassinos para caçar suas presas humanas em sua ilha particular; 



em "The Face of Marble" (Cara de Mármore, 1946), John Carradine é um cientista louco que cria zumbis e um cão Dinamarquês que consegue andar pelas paredes!; o Prof. Génessier (Pierre Brasseur) de "Les Yeux Sans Visage" (Os Olhos Sem Rosto, França,1959) utiliza grandes cães para suas experiências e proteção e acaba  sendo vítima deles...





Mas foi no meio dos anos 70 que a coisa ficou feia para a cachorrada! 
 "To Kill a Clown" (Os Palhaços Não Devem Morrer, 1971) de George Blomfield conta a história de um jovem casal que se muda para uma ilha semi-deserta. Lá travam amizade com o Major Ritchie (Alan Alda), um veterano do Vietnã, que possuí dois cães Dobermans treinados no exército. Logo descobrem que o militar é um psicopata e está atraído pela mulher, começando um jogo mortal aonde eles são caçados pelos cães ferozes que só atendem ao dono.


"El Perro" (A Fera Assassina, Espanha 1976)) de Antonio Isasi Isasmedi, mostra o desespero de um fugitivo de uma ditadura latino-americana, caçado por um guarda de uma colônia penal e seu cão sanguinário. Ele consegue atingir o guarda, mas este antes de morrer dá uma ordem final a fera assassina: "Mate-o!".



"Dogs" (A Revolta dos Cães, 1976) de Burt Brickerhoff, trás David McCallum como uma das pessoas que precisam sobreviver ao ataque de cães estranhamente enfurecidos que começam em uma universidade e se espalham por toda a cidade. No final, o casal sobrevivente descobre que a revolta não é só dos cães...



"The Pack" (A Longa Noite de Terror, 1977) de Robert Clouse, apresenta um problema parecido. Um grupo de visitantes em uma ilha são trucidados por uma matilha de cachorros abandonados, liderados por um vira-latas agressivo. Os cachorros são mortos em uma cabana em chamas e um sobrevivente aceita novamente a afeição humana.



Um dos mais sinistros cachorrinhos de estimação do cinema apareceu em "Dracula's Dog" (Zoltan, O Cão de Drácula, 1977) de Albert Band. Um discípulo de Drácula (Reggie Nalder) acompanhado do cachorro vampiro, procura um descendente do Conde. Enquanto tenta convencer o jovem americano de sua linhagem "nobre", o cachorro faz diversas vítimas na vizinhança!





Outro bicho-endemoniado foi "Devil Dog: Hound of Hell" ( O Cão do Diabo, 1978) de Curtis Harrington. Este filme feito para a TV, tentou ser uma versão canina para "O Exorcista", mas apesar dos esforços do lendário diretor-cult, não passou do nível Trash, principalmente em seu final, quando mostra o cachorro maldito gigante com chifres em um efeito de sobreposição vagabundo ao extremo!



Uma perturbadora parábola social e política fez um ótimo uso de um cão matador: "The White Dog" (O Cão Branco, 1982) de Sam Fuller. Uma mulher (Kristy McNicholl) descobre lentamente que seu cão adotado foi sistematicamente treinado por seus donos anteriores para matar pessoas negras. Um cientista negro (Paul Winfield) tenta reverter o horrível condicionamento deste "monstro" racista criado pelo preconceito. Esta sim é uma verdadeira história de terror...real!





"Rottweiler: Dogs of Hell" (1983) de Worth Keeter III, aproveitou a onda de filmes em 3D da época para explorar um fato muito divulgado então; ataques mortíferos de cães aparentemente adestrados desta raça (como o que aconteceria com os Pitbulls nos anos 2000).



Outro Rottweiler assassino apareceu no super-vagabundo "Play Dead" (Jogo da Morte, 1983) de Peter Wittman. Yvonne De Carlo (a eterna Lily Munster) vive uma mulher rancorosa que utiliza poderes diabólicos para controlar um cão para crimes violentos. O filme foi relançado em vídeo como "Satan's Dog"(Cão Satânico).








"Cujo" (1983) de Lewis Teague, adaptou uma história de Stephen King que fala de um dócil cachorro São-Bernardo, que é mordido por um morcego-vampiro e contraí raiva, se tornando uma criatura feroz e muito perigosa. As cenas com a personagem de Dee Wallace e seu filho, presos em um carro quebrado, à mercê da fera, valem todo o filme...



A cachorrada sossegou por um tempo, até aparecer "Man's Best Friend" (Max, Fidelidade Assassina, 1992) de John Lafia. Um Mastim é libertado de um laboratório de experiências genéticas e adotado em um subúrbio de San Remo. O enorme cachorro fora gerado artificialmente e possuí força e inteligência fora do normal, além de uma urina potencialmente ácida! Enquanto causa destruição, morte e engole um gato inteiro, Max é perseguido pelo cientista (i)responsável vivido por Lance Henriksen.


"Atomic Dog" (Cachorro Atômico, 1998) de Brian-Trenchard Smith, trás um vira-latas que é contaminado por lixo atômico e passa a aterrorizar uma cidadezinha, em uma produção pobre para a TV.


Em sua estadia na Espanha, trabalhando com a produtora Fantastic Factory, Brian Yuzna refilmou "El Perro" de 1976: "Rottweiler" (2004) se passa em um futuro próximo, aonde um imigrante ilegal é perseguido pelo sádico Kufar (Paul Naschy) e seu mas perigoso guarda, um Rottweiler biônico!





Cerberus, o lendário cão de 3 cabeças citado no início, depois de algumas participações em filmes históricos/mitológicos, ganhou uma aventura solo. "Cerberus"( Cerberus o Guardião do Inferno, 2005) de John Terlesky, transforma o monstro no cão de guarda da tumba de Átila, o Huno, acordado nos dias de hoje por ladrões de tesouros. Os efeitos em CGI são vagabundos como todos os realizados pelo Sci-Fi Channel para seus especiais de TV.



"Hellhounds" (Guardiões de Hades, 2009) de Ricky Schoreder, também para a TV e com CGI pobre; utiliza a mesma lenda, mas agora são dois cães demoníacos os guardas do inferno e que são combatidos pelo herói grego Kleitos (Scott Elrod)...



"The Breed" (Cães Assassinos, 2006) de Nicholas Mastrandea com Michelle Rodriguez, caminha por terreno mais "realista". Um grupo de amigos resolve passar as férias em uma ilha aparentemente desabitada e são atacados por uma matilha de cães raivosos...



Poderíamos citar também ataques horripilantes de cães em filmes como "Contos do Além" (1971); "A Profecia" (1976); "Suspiria" (1977); "Os Meninos do Brasil" (1978); "Terror nas Trevas" (1981), até os cães-mutantes da série de filmes-video-game "Resident Evil"...mas isto já seria "muita cachorrada"!   


 








2 comentários:

  1. Cara, MUITO BOM o artigo... CURTI mesmo.
    Alguns dos filmes eu já conhecia, outros "entraram para minha lista", rsrsrs...

    Apenas senti falta de "OS DOBERMANS ATACAM"
    (ou seria "O ATAQUE DOS DOBERMANS"? rsrsrs...), de 1973...
    Acho que cabia aí também...

    VALEU!!!

    ResponderExcluir